História

Por Benedito Silvano Bonacordi

Para quem não conhece vai um pouco da historia da AEA-PR.

Na década de 80, todas as quartas-feiras, um grupo de aposentados e pensionistas se reunia no 15º andar do prédio da Caixa Econômica Federal para tomar um chá, colocar as novidades em dia e trocar ideias. Com o passar do tempo, o grupo participante das reuniões chegou à conclusão que deveria ser criada uma Associação para defender os interesses da classe.

Em 09 de outubro de 1985, foi criada a AEA-PR, sendo administrada inicialmente por uma Comissão Provisória Executiva, de maio/85 a maio/86, composta pelos aposentados Srs. Othelo Werneck Lopes, Giselda Pereira Brito, Alexandre Drabik e Hirton de Freitas Diz.

Como o estatuto prevê que a cada dois anos a obrigatoriedade de eleição para todos os cargos, quando chegava essa época era um suplício para achar candidatos para preencher os cargos e trabalhar sem remuneração para os associados.

Até que em novembro de 1998, o então Presidente Sr. Alexandre Drabik, Presidente da Diretoria Executiva e duas vezes Presidente do Conselho Deliberativo, cansado de tantos anos lutando à frente da AEA-PR, convidou os colegas Dirceu Baldi Rosa e Benedito Silvano Bonacordi para compor uma chapa concorrente à eleição daquele ano, da qual saíram vencedores. Até aquela eleição, também foram Presidentes da Associação os colegas aposentados Hirton de Freitas Diz e Agadir  Damas Soares.

O principal objetivo dos novos eleitos era fazer a AEA-PR funcionar como uma empresa, mas como poderiam fazer isso sem espaço físico e sem equipamentos, já que naquela época todo as maquinas e móveis era cedidos pela Caixa? A Associação possuía apenas um microcomputador, modelo 386, já ultrapassado, uma linha telefônica e um ramal do PABX da Caixa.

Apesar das dificuldades, foram à luta com os demais membros. Já existia a Farmácia, em sociedade com a APCEF-PR, mas funcionava precariamente numa mesa de escriturário. O primeiro passo foi organizá-la num local isolado, seguindo as normas da Anvisa e do Conselho de Farmácia, com a contratação de uma farmacêutica para  atender e orientar os aposentados, pensionistas e pessoal da ativa.

O estatuto da época previa uma alçada para o Presidente da Diretoria Executiva de apenas três salários mínimos, que representava cerca de R$ 300,00. Para qualquer investimento que ultrapassava esse valor era necessário apresentar três orçamentos e obter autorização do Conselho Deliberativo, o que tornava os procedimentos morosos. Para se ter uma ideia, para comprar o primeiro micro da gestão foi uma batalha e três reuniões com o CD.

Daquela maneira ficava difícil fazer a AEA-PR crescer,  então resolveram fazer uma reforma do Estatuto, que foi aprovado em Assembléia Geral, dando mais autonomia para a Diretoria Executiva executar seus planos e funcionar de forma mais ágil.

Com o crescimento, veio a necessidade de espaço físico, pois a Associação só tínha duas mesas: uma grande, onde continuava a ser servido o tradicional lanche das quartas-feiras, e outra menor, onde o Presidente e os demais diretores faziam seus despachos.

Era necessário mudar para um local mais apropriado, porém as tratativas com a Caixa para conseguir um espaço maior mostraram-se infrutíferas,  chegando-se à conclusão que era o momento de AEA-PR ter um imóvel próprio, para poder dar mais conforto e melhor atendimento aos associados, cujo quadro estava crescendo.

Com o dinheiro deixado na conta corrente pela gestão anterior e mais um pouco que conseguiram juntar, foi adquirido um andar inteiro, com 247m2, na Rua Monsenhor Celso, 231, 4º andar, onde foi instalada a Farmácia e também o escritório de Representação da Funcef no estado, permitindo ao associado tratar de todos os assuntos do seu interesse no mesmo lugar.

Com o aumento das despesas de condomínio, energia elétrica e manutenção, era necessário conseguir renda para cumprir os compromissos financeiros. O primeiro passo era conseguir aumentar o quadro de associados. Foi feito um convênio com a corretora de Seguros Amauri Bueno e aberta uma apólice de Seguro de Vida em Grupo para os aposentados e pensionistas, que garantem uma renda razoável para AEA-PR. Também foram feitos mais convênios com advogados para defender os interesses dos aposentados e pensionistas e, ao mesmo tempo, obtendo dos mesmos uma comissão para AEA-PR.

Essas ações trouxeram vários benefícios para a AEA-PR, como o aumento da arrecadação, mais sócios e possibilidade de ampliação da atuação. Com uma boa administração dos recursos arrecadados, foi possível adquirir mais um andar no mesmo endereço.

Hoje a AEA-PR é proprietária de dois andares, um administrativo e outro para atividades de lazer. Conta, ainda, com 4 empregados e a colaboração voluntária do aposentado Ivo Branco, que cuida dos processos dos aposentados e pensionistas que estão em andamento na Justiça.

O Presidente da AEA-PR é membro do Conselho Deliberativo da Fenacef, que tem sede em Brasília, para onde é convocado mensalmente para reunião,onde são tratados assuntos de interesse dos aposentados e pensionistas, com a diretoria da Caixa e da Funcef.

Os três poderes da AEA-PR executam trabalho voluntário. A Diretoria Executiva é a que mais tem que se fazer presente na AEA-PR. O Presidente e o Vice-Presidente comparecem diariamente para atender os associados e os demais diretores  duas ou três vezes por semana, conforme a demanda da sua área de atuação.

Atenção associado!

A sede da AEA-PR em Curitiba estará fechada nos dias 15 e 16 de novembro, em razão do feriado.