Dia Nacional do aposentado é marcado por mobilizações em defesa do Estatuto da Funcef

Nesta sexta-feira, dia 24 de janeiro, um grupo de aposentados se reuniu em frente à Praça Carlos Gomes para se manifestar contra novas ameaças à Funcef.  A manifestação aconteceu em diversas cidades, para chamar atenção, em especial, sobre a ameaça de não manutenção do Quórum Qualificado, que assegura a paridade nas decisões entre patrocinadora e participantes, relativas a importantes ações. Na ocasião, foram distribuídas camisetas e o Manifesto das Entidades Representativas.

“O Estatuto da Funcef é legal e deve ser defendido. Sem o quórum qualificado a governança da Fundação fica comprometida, decisões importantes voltam a ficar na mão da Patrocinadora, aumentando os riscos de gestão temerária”, afirma Valfrido Oliveira. 

Em relação ao encontro desta sexta-feira, em Curitiba,  o presidente da AEA-PR lamentou pela pouca participação de aposentados. “O aposentado precisa se politizar mais, se conscientizar e estar presente de fato em momentos como esse e não só reclamando em grupos de redes sociais. Não vamos ganhar nada de graça. Precisamos ter participação real e voz ativa”, defende.

A diretora de Saúde e Benefícios  da AEA-PR, Márcia Krambeck também se manifestou pelo respeito ao Estatuto da Funcef e reforçou ainda, a importância da participação dos aposentados nas eleições para o Conselho de Usuários do Saúde Caixa, que acontece entre os dias 3 e 7 de fevereiro.

“Precisamos que vocês estejam junto com a gente se manifestando. Contamos também com o apoio dos colegas, votando para a Chapa 1. Estarei representando nosso estado, tecnicamente discutindo e lutando para impedir mudanças drásticas que podem vir aí”, afirma Márcia.

Ameaça ao Estatuto

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc),se posicionou contra o quórum qualificado, no fim do ano passado, após consulta formulada pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas (SEST), defendendo que o presidente do CD possa usar o Voto de Minerva em todo e qualquer assunto.

Uma petição online também foi lançada visando barrar a alteração. Clique aqui para saber mais e assinar. São necessárias pelo menos 20 mil assinaturas.